Aquenda! ocupa o CELGBT para ampliação das discussões sexodiversas

25 mar
CELGBT

A mulher transexual e psicóloga, Ariane Sena, ocupa cargo de vice-presidência o CELGBT.

O Coletivo Aquenda! fará parte do Conselho LGBT da Bahia na gestão 2017/2019 com objetivo de ampliar o leque nas discussões e ações sobre sexualidades e gêneros. Nosso desafio é pautar uma política de direitos humanos dentro de uma perspectiva Queer para uma transformação social real e concreta.

“É preciso estar atentx e forte. Não temos tempo de temer a morte”

Carta de Apoio a Manutenção da Integridade do Mandato do Deputado Jean Wyllys

14 dez

Resultado de imagem para jean wyllys no cahl/ufrb

O Coletivo Aquenda! de Diversidade Sexual, junto a Direção do Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (CAHL/UFRB), em Cachoeira – BA, manifesta sua indignação relacionada ao relatório do Dep. Ricardo Izar, na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados pedindo a suspensão do mandato do Dep. Jean Wyllys, devido à suposta quebra do decoro parlamentar.

Manifestamos nosso apoio público ao Dep. Jean Wyllys eleito para a 55ª Legislatura com 144.770 votos, um jornalista, escritos, professor e defensor dos direitos humanos, em especial da causa LGBT, de gênero e raça. Trata-se de um parlamentar íntegro, honesto, corajoso, um intelectual e político livre de qualquer suspeita, que cotidianamente é vítima do preconceito e homofobia por ser o único deputado assumidamente gay no Congresso Nacional. Tem conduzido a sua vida política de forma qualificada, idônea, com lisura invejável, lutando pela garantia dos direitos humanos, com a produção de relevantes projetos para o povo brasileiro.

Outrossim, o mandato do Dep. Jean Wyllys tem sido um dos poucos que tem credibilizado a política brasileira internacionalmente. Prova disso é sua reeleição como uma das 50 personalidades da diversidade no mundo pela Global Diversity List da The Daily Telegraph e os diversos convites para palestras em universidades renomadas como a Universidade de Havard e Universidade de Brown.

Diante do apoio público manifestado por mais de 160 instituições de defesa dos direitos humanos no mundo, pela notória colaboração na política brasileira e levando em consideração todas os motivos aqui listados, pelos depoimentos do próprio deputados e das testemunhas durante os trâmites do processo na Comissão de Ética, endossamos o apoio público ao parlamentar e defendemos a integridade de seu mandato. Clamamos a Comissão de Ética para que não sejam tomadas decisões por questões morais, dominadas por ideologias partidárias conservadoras.

 

Coletivo Aquenda! De Diversidade Sexual

Jorge Luís Cardoso Filho – Diretor do CAHL/UFRB

A LGBTfobia matou 50 pessoas hoje

12 jun

Homofobia 02

Por Udinaldo Júnior.

Quando repito diariamente que LGBTfobia mata não é uma metáfora ou uma alegoria ou vitimismo de classe. Ela hoje assassinou 50 pessoas em Orlando – EUA. Fez outros feridos, portanto esse número pode aumentar. Pode aumentar inclusive porquê o governo proíbe a doação de sangue de homens gays e bissexuais. Homens que estão sofrendo com amigos e parceiros morrendo no hospital enquanto o Estado os proíbe de ajudar.

E preparem-se para a enxurrada de lgbtfobia que nós veremos hoje. Preparem-se. Os lgbtfóbicos mais calminhos estarão dizendo que o ataque não foi um crime de ódio, que nós estamos sendo radicais, que nem tudo é homofobia, que é um caso isolado. Talvez ficarão calados e acreditarão piamente que não é com eles, que essas mortes não lhes atingem.
Aqueles que mostram sua violência de maneira mais aberta (e que facilmente pegariam uma arma e atirariam em mim ou em você, na Amsterdam, OffSina, BlueSpace, San Sebastian, Âncora do Marujo ou num beco escuro) estarão nas redes sociais destilando seu ódio como nos comentários abaixo.


Preparem-se. Lembrem-se que nossos cadáveres sempre são os primeiros quando o cerco aperta. Que nossas vidas são precárias, nossa existência é descartável. Se fortaleçam uns nos outros, amigos. Criem redes de solidariedade, não abram mão de ajudar qualquer LGBT que precise de você. Lute pelo bem de todxs. Nós estamos juntxs!

Homofobia 03   Homofobia

 

Teatro e bate-papo com o Aquenda!

20 jan

Hoje o Coletivo Aquenda! vai estar presente nas peças teatrais “Trespassado” e “Abismo” para bater um papo bem queer logo após os espetáculos.

Venha você também!

PEÇA

Nota

Coletivo Aquenda! na luta pela despatologização TRANS

22 out

O Coletivo Aquenda! de Diversidade Sexual lança uma campanha virtual pela despatologização TRANS. Outubro é o mês de luta, mas não se esqueçam a nossa luta é todo dia! A rede internacional pela despatologização TRANS lançou um manifesto trazendo a problemática da patologização e a luta pelo direito sobre seus corpos:

“Denunciamos publicamente, mais uma vez, a psiquiatrização de nossas identidades e as graves consequências do chamado “transtorno de identidade de gênero” (TIG). Do mesmo modo, queremos tornar visível a violência que se exerce sobre as pessoas intersexuais mediante os procedimentos médicos vigentes.”

Veja o manifesto completo Aqui

Image

 

Intervenção pela legalização do aborto, contra a criminalização do corpo feminino com a Marcha Mundial das Mulheres

29 set

No último dia 28 (ontem) estivemos com a representante da Marcha Mundial das Mulheres (MMM) Beatriz Vieira, produzindo uma intervenção no Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL) da UFRB. A intervenção foi pela legalização do aborto e discriminalização do corpo feminino. A pauta nos interessa por entendermos que a legalização do aborto não atinge ou aflige apenas a ‘mulheres cromossômicas’, na estrutura de gênero em que o feminino é habitado por corpos em trânsito, a legalização do aborto afeta à todxs.

Para além do sexo-reprodução radicalmente biológico, perguntamos: e quando homens trans que mantêm o útero lutarem pelo direito de abortar? A mulher ciborgue? Visualizamos essa realidade dissidente para operar pela política da diferença, onde o ato sobre o corpo não esbarre em uma política identitária fixa, rígida.

Marcha Mundial das Mulheres faz intervenção em Cachoeira pelo direito ao aborto.

Parada da Diversidade Sexual em Cachoeira

26 set

ImageEntregamos zines na última Parada de Diversidade Sexual de Cachoeira que aconteceu no dia 16 de setembro. Os zines são veículos de comunicação de baixo custo na produção e comumente usados pela impressa alternativa. Entregamos 110 antes do trio eletrifico alcançar meio percurso. Numa entrega desse tipo e com pouco exemplares para o tamanho do evento focamos especialmente nas famílias e grupos. Não foi tão complicado. As pessoas queriam saber se teriam que pagar e do que tratava. A reação mais esquisita foi no momento que foi entregue a uma menina um documento no lugar do zine. A menina respondeu: ta errado moça! Eu quero aquele que tem meu cu!
O nosso zine foi com o seguinte texto:

O Coletivo Aquenda! de Diversidade Sexual surgiu em outubro de 2010 com o propósito de problematizar a homofobia na UFRB e em outros espaços das cidades de Cachoeira e São Félix. Buscamos igualdade de direitos civis e humanos para a comunidade LGBTTT da região do Recôncavo Baiano. Além disso nosso objetivo é aproximar os estudos de teoria de gênero e sexualidade da realidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, e transexuais da região. Dessa forma propomos um espaço de discussão e interação entre estudantes, sociedade e comunidade em geral.

 

“O Brasil é o país que mais mata homossexuais do mundo, ato que demonstra que nossa sociedade ainda é intolerante quando o assunto diz respeito à diversidade sexual. Portanto, o enfrentamento ao preconceito de gênero é muito importante para que nossa comunidade seja mais justa e fraterna. Queremos um mundo onde a expressão do amor entre pessoas do mesmo sexo seja equivalente ao do sexo oposto. Podemos viver num mundo sem homofobia? Acreditamos que sim! Venha nos conhecer, ajude a construir um mundo sem preconceitos, opressão desigualdade e violência. Aquendaaaaaa! Ouvir piadinha dos outros, sapatão, viadinho, bicha, bolacha.  Essas são forma de preconceito mais visíveis na nossa sociedade. Você já sofreu HOMOFOBIA, LESBOFOBIA, TRANSFOBIA? Venha compartilhar conosco sua experiência, estamos aqui para ouvir e falar sobre o assunto”